sexta-feira, 11 de setembro de 2009

O Cafajeste!

Ontem estava conversando com um amigo do trabalho e ele me contava de quando terminou com uma ex-namorada, quer dizer, de quando ela terminou o namoro com ele. Me disse que foi um sofrimento. Que bebia todos os dias, que chorava feito um condenado. Os motivos que ele tinha pra sofrer tanto eram por ter vividos juntos num momento de transição, saindo da adolescência entrando na vida com mais responsabilidades, a compra do primeiro carro, a passagem para a faculdade, os planos de vida. Me deu uma pena. Comecei a me lembrar dos meus casos amorosos. Chamo de casos amorosos porque nenhum durou o bastante para se firmar como um namoro realmente sério, cheio de planos futuros, por mais que eu os tivesse em mente.
Sempre fui um cara apaixonado. Sempre. Na escola, desde o Jardim eu declarava pra mim que a fulana de tal seria a minha namorada. Mesmo sem ela saber. Eu acho que era por medo daquela história que "no dia que ela descobrisse, ela terminava". ;] Pois sempre foi assim. Me lembro de cada uma, pelo menos o rosto de todas me vem na memória. Sempre fui abobado pra essas coisas de paixão. Assistia a novela Carrossel e ficava triste com o pobre do Cirilo que era afim da Maria Joaquina e ela nem "tchuiú" pra ele. Qualquer novela, música ou filme que falasse de uma história de amor, lá estava eu, me vendo no lugar daqueles personagens.
Chega a adolesecência. Putz! Pense num cara derrotado. Morria de vergonha de declarar meus sentimentos pra menina que estava gostando. Com isso, quebrava a cara. Pouco tempo depois lá estava ela, namorando alguém do colégio que era mais corajoso, desenrolado, descolado. Era uma tristeza. Era tão mole, mas tão mole, que meu primeiro beijo, digo beijo mesmo, num é selinho não, foi quando eu tinha 16 anos. E ainda foi porque a menina, praticamente, me agarrou. Na virada do ano de 1999 para o ano 2000. Veio me desejar um "FELIZ ANO NOVO" e tascou o chupão. A partir disso é que as coisas foram se engrenando. No colégio arranjei meu primeiro "caso amoroso". Não durou 2 meses. E assim sucessivamente. A cada ano tinha um casinho mais sério. Sempre ficando nessa mesma faixa de tempo, 1 mês, 15 dias, 3 meses, 1 semana.
Com a mesma menina foram 3 tentativas e a mais longa foram 3 meses. A cada tentativa eu percebia que não tinha nascido pra esse negócio de relacionamento sério. Que me sentia melhor mesmo solteiro, mesmo que fosse por opção delas. Mas também sofria demais quando terminava. Aquele momento de receber um fora era horrível. Acho que nunca dava certo porque eu me entregava demais, esperava o mesmo da pessoa e sempre quebrava a cara.
Lembro-me de uma festa que eu fui e encontrei uma ex. Vixi! Gelei da ponta do cabelo até o dedão do pé quando a vi passando de mãos dadas com outro cara. Sabe aquela sensção que dá vontade de ir no banheiro? Pois é. Foi essa. Cheguei a ficar tão puto, mas tão puto que sai na direção dela pra lhe falar umas verdades e no meio do caminho me perdi. Acabei encontrando minha melhor amiga e passei a noite chorando e esculhambando a dita cuja. Êiê! Como o mundo dá voltas. É aquele velho ditado: "O que não me mata, me fortalece". Hoje em dia não sei se me sinto mais forte, mas está difícil voltar a ser o mesmo cara apaixonado que fui. De coração mole, que fazia de tudo pra agradar a essas eleitas. Percebi que mulher gosta é de homem que não vale nada. Daqueles bem canalhas mesmo. Famoso Cafa! E é assim que tenho sido nos últimos anos. Um cafa! Com algumas recaídas de vez em quando, mas no quesito chorar, beber e correr atrás pedindo pra voltar. Tá difícil. Bem difícil. Até porque estou de um jeito meio canalha. E assumo. Vagabundo da pior espécie. Por que pena de mulher, eu não tenho nem da minha mãe.

6 comentários:

Chris Moreira disse...

KKKKKK!!!
A certeza que tive depois de ler seu post é de que a Márcia nem sonha que vc tem esse blog. Kkkk!

E sobre o "Doido Cafa" não tenho nem comentários. Acho que pq nunca presenciei essa criatura em atividade, mas de qualquer forma, sei que ele existe e agradeço por nunca ter esbarrado com ele... rsrs

Já o Doido mole, oura. Conheci demais! Kkkkk. Fui uma de suas vítimas. Kkkkkkkkkkk. Mas gaças a Deus que ele existiu, viu? Só assim nossa amizade se tranformou nessa coisa maravilhosa que é hoje!


Ps: O episódio de vc partindo pra cima da ex, mas se perdendo no caminho, por acaso foi naquele Ceará Music que vc encheu o "piii" de Mangueira??? Kkkkk!

Ow putaria!
Loviu, craisy.

pHenrique disse...

huahuauhauhauha
é doido eu sei muito bem o que é isso!
eu sempre fui santinho c as mulhérrr!! já sofri muito! :(
HUAUHAHAUAHUAUHAUH

Espião disse...

Nem citou seu Amigo Espião, todo mundo muda, eu era timido quando era menino, depois virei o bunitão das tapioca, hj em dia sou um fi duma... mesmo que nada!! huauhahuahua

Diego disse...

Atualize-se a si mesmo!

causoseafins disse...

kkkkkk.

como diria uma amiga minha: "safadeeeeeenho" (assim mesmo, com E, hahaha). ;p

Chris Moreira disse...

Estou carente, longe e com saudades... exijo estórias novas!!! Pelo menos assim me sinto mais ligada à vc.